Assembléia de Deus no rio Grande do norte comemora 102 anos de existência


Maior igreja evangélica do estado comemora 102 anos.

A cerca de dois anos atrás a igreja assembleia de Deus no rio Grande do norte já contava  maiscom de 220 mil membros atualmente cadastrados em seu rol, a Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte é a maior denominação cristã evangélica do estado, presente hoje em todos os 167 municípios potiguares.


São mais de 1600 templos espalhados em solo norte-rio-grandense, 263 deles concentrados na capital.


Além da notória atuação evangelística, igreja tem uma história marcada pelo investimento em obras sociais. A IEADERN mantém hoje o Centro Integrado de Assistência Social da Assembleia de Deus (Ciade), localizado no Planalto, que além de atendimentos médico, psicológico, nutricional e jurídico gratuitos, garante abrigo para 22 idosas através do Instituto Bom Samaritano.


A Assembleia de Deus mantém ainda um programa de capelanias carcerária e hospitalar. Diariamente, a igreja visita hospitais e presídios pregando a Palavra de Deus oferecendo suporte social a pacientes internados, pessoas privadas de e suas famílias. Hoje a igreja conta com muito mais do que isso.


Evangelho de alegria e poder


O nascimento da Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte confunde-se com a difusão do evangelho pentecostal pelo mundo. Em 1911 os missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingren chegaram a Belém do Pará, vindos dos Estados Unidos, e - mesmo sem dominar o idioma português - iniciaram ali uma obra missionária.


Foi lá onde os irmãos seringueiros Manoel e Florêncio, potiguares naturais da cidade de Pedro Velho, converteram-se à fé cristã e aprenderam sobre a doutrina pentecostal, que prega a atualidade dos dons do Espírito Santo.


Ao retornarem para o Rio Grande do Norte, eles começaram a propagar sua fé e foram ganhando adeptos. Anos depois, em 1918, foi oficialmente fundada a Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte.


Perseguição e intolerância religiosa


A chegada da doutrina protestante pentecostal ao Rio Grande do Norte não foi bem aceita. Durante as primeiras décadas do século passado, muitos foram os casos de perseguições e agressões sofridos pelos membros da igreja em razão de sua fé.



Os primeiros cultos eram realizados nas casas dos fiéis, que o faziam de forma escondida, com medo de agressões, já que os primeiros templos abertos chegaram a sofrer depredações de fiéis de outras religiões.


A perseguição somente acelerou o crescimento da igreja, hoje com o maior número de fiéis no estado e mantenedora de famílias missionaras presente em 12 países espalhados pela América do Sul, África, Ásia e Europa.


A comemoração este ano será através de cultos online nas mídias sociais da igreja, devido o período de pandemia e quarentena que o Brasil enfrenta.

Com informações AD Rio Grande do norte