Vejam só, Novo ministro da Educação vira alvo de preconceito religioso por ser pastor

Milton Ribeiro foi alvo de críticas devido ao cargo eclesiástico.

Recém empossado como o novo chefe do Ministério da Educação, Milton Ribeiro, que também é pastor da Igreja Presbiteriana, virou alvo de preconceito religioso na internet, com comentários pejorativos e críticos pelo fato de ele ocupar um cargo eclesiástico.

A colunista do El País, Debora Diniz, tentou ironizar a escolha, apontando características do novo ministro como “muitos poderes em um só corpo” e classificou Ribeiro como “um ser quase divino”. Diniz também é professora da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB).

A líder do PSOL na Câmara dos Deputados, Fernanda Melchionna (PSOL/RS), preferiu fazer um julgamento sobre o caráter do pastor, afirmando que “boa pessoa não pode ser” e sugerindo a demissão do presidente da República para “salvar a Educação”.

Já a professora de física do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET) do Rio de Janeiro, escreveu usou o Twitter para classificar que pelo fato de o novo ministro ser um pastor, não sabe “mais lidar com essa dor no meu peito vendo uma pasta tão essencial sendo ocupada dessa forma”.


O ator João Vicente, da Rede Globo, que também é um dos fundadores do Porta dos Fundos, afirmou que a nomeação do pastor para a Educação é uma piada. Ele ignorou o currículo de Milton e debochou do fato de ele ser um pastor.

Talíria Petrone, professora de história ligada ao PSOL, escreveu que representa “mais obscurantismo, negacionismo da ciência e austeridade nos investimentos”. Ela afirmou que a escolha não surpreende e que “só a luta muda a vida”, em um tom de crítica contra o novo ministro.


Créditos, matéria do Gospel prime